Embassy of Portugal in Cuba

Ministry of Foreign Affairs

5th of May, Day of the Portuguese Language and Culture

 Havana, 05 de maio de 2016.

É com enorme satisfação que as embaixadas da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) com representação em Havana – Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal e Timor-Leste - assinalam hoje o dia 05 de maio, Dia Internacional da Língua Portuguesa e da Cultura, satisfação acrescida no corrente ano em que se celebra o 20º aniversário da formação daquela organização.

Desde a sua criação em 1996, a CPLP mantém-se unida no firme propósito de aumentar a cooperação e o intercâmbio cultural entre os países membros, uniformizando e difundindo esse laço histórico e património comum que, resultante de uma convivência multissecular, transcende barreiras geográficas: a língua portuguesa.

Avaliado em 250 milhões de pessoas, o mundo lusófono estende-se por nove países de quatro continentes, sendo o português a quarta língua mais falada do planeta e a terceira entre as línguas ocidentais. Fértil em Memória e vibrante de Presente, a Língua Portuguesa surge grávida de Futuro e de Sonho.

Assumindo-se assim cada vez menos como língua de diásporas e cada vez mais como língua global, o Português é uma língua de futuro. Partindo do latim e bebendo depois do grego, do árabe e de muitas línguas europeias, a Língua Portuguesa continua a sua viagem metamórfica, numa osmose fecunda e contínua.

A essa dinâmica não está alheia a arte e a literatura de expressão portuguesa, as quais, num processo também ele dialético, enobrecem a língua, seja pelo cumprimento elevado e rigoroso da norma seja pela sábia transgressão. A par das inumeráveis e valiosas referências dos autores clássicos e consagrados do mundo lusófono, a língua portuguesa rompe caminho na contemporaneidade para jovens escritores, acentuando o dinamismo e o frescor literário do idioma. Por outro lado, coloca-se como desafio maior uma valorização acérrima da energia criadora e da sensibilidade literárias no feminino pelo contributo que, nas letras e no mundo, pode dar a presença marcante da Mulher.

Ensinado como língua estrangeira por todo o mundo num total de aproximadamente 40 milhões de falantes não lusófonos, no respeito máximo por uma uniformidade e diversidade linguísticas que o fortalecem, embelezam e ramificam, o Português ganha cada vez maior importância nas áreas da ciência, da investigação, do intercâmbio estudantil ao nível do ensino superior e na área da diplomacia, sendo atualmente a terceira língua nas redes sociais e a quinta mais usada na internet.

Língua de múltiplas organizações internacionais tais como a União Africana (UA), Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), o Mercado Comum do Sul (MERCOSUL), a Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI), a União Europeia (EU), entre outras; partilhada por um espaço lusófono alargado e com potencial de crescimento demográfico e económico a curto prazo; com implantações localizadas mas de importante dinâmica estratégica na Ásia; denominador comum de indústrias criativas que pesam consideravelmente no PIB dos vários países; e com uma importância crescente na esfera dos negócios (gás e petróleo), o Português posiciona-se cada vez mais como elemento estratégico de comunicação empresarial e fator gerador de novas oportunidades profissionais.

Sendo certo que a unidade se fortalece e enriquece com base na diversidade linguística e cultural em que assenta, abrindo lugar para a própria reinvenção da língua num espaço inclusivo mas respeitador de dinâmicas culturais e linguísticas específicas; crentes também de que a literatura e as artes em geral são fatores nucleares para o desenvolvimento belo e justo das nações e dos seus cidadãos e de que o bilinguismo e o multilinguismo ajudam a superar fronteiras, favorecendo e otimizando a comunicação com o “outro” num mundo globalizado mas composto de sociedades muito heterogéneas, é com alegria que celebramos hoje, 20 anos depois da criação da CPLP, o Dia de uma Língua sem dono que, saindo da terra ao mar, une continentes geograficamente distantes e culturalmente diversos, convocando nesse processo, para a sua aprendizagem e apropriação, não apenas aqueles que a recebem como herança histórica, cultural e linguística, mas e cada vez mais, num espécie de voo além-fronteiras, todos aqueles que, em qualquer geografia, pelo seu Canto se Apaixonam.

bandeira cplp.svg

Share:
FacebookTwitterGoogle +E-mail